Empresas que carimbam seu passaporte

Veja quem oferece a oportunidade ao trainee de ter uma experiência profissional no exterior e saiba como conseguir essa chance

iG São Paulo | 17/10/2010 20:00

  • Mudar o tamanho da letra:
  • A+
  • A-

Grandes empresas brasileiras estão cada vez mais globalizadas. São companhias com instalações e negócios fora do Brasil, que além de exportadoras de tecnologia enviam para o exterior seus profissionais. Em muitas delas, a oportunidade de ter uma experiência profissional internacional também é dada aos trainees. O iG Estágio e Trainee ouviu algumas das principais empresas globalizadas que colocam esse carimbo no passaporte do recém formado, entre elas as mineradoras Vale e Magnesita e a consultoria KPMG. Também se destacam os programas de treinamento como do Grupo Pão de Açúcar, rede varejista que atua apenas no Brasil, mas envia seus trainees para uma etapa no exterior. (veja lista completa abaixo).

Quem planeja inicar uma carreira internacional deve também conhecer aqui as oportunidades para estagiar na Organização das Nações Unidas (ONU) e no Banco Mundial. Para quem quer ficar no Brasil, é bom saber quais são as empresas que pagam os melhores salários e quem efetivam 100% dos trainees.

Destino - Os destinos dos trainees que embarcam para uma experiência internacional variam de acordo com a atuação das empresas. No programa mais concorrido do Brasil, da cervejaria Ambev para o qual mais de 70 mil candidatos disputaram pouco mais de 20 vagas, os trainees este ano tiveram uma fase de treinamentos de 15 dias na cidade de Saint Louis, nos Estados Unidos, com palestras, workshops e visitas à unidade norte americana da empresa.

Bechmarking - No Grupo Pão de Açúcar, os trainees vão para a França, na sede da parceira europeia Casino, para fazer benchmarking, ou seja, verificar o que há de novidade na área varejista da Europa para propor soluções à rede brasileira. Na consultoria KPMG, há um programa de intercâmbio de jovens profissionais de todo o mundo.

Padronização - Já a mineradora Vale mantém seus profissionais nas unidades do exterior e passa este ano a fazer o mesmo com seus trainees. A finalidade é zelar pela adoção dos procedimentos da empresa mesmo fora do país. Como guardiões desses padrões, os recém formados devem propor novas alternativas, que podem ser qual a melhor forma de trocar o pneu de um caminhão, por exemplo, para que esta seja adotada em todas as unidades.

Foto: Divulgação

Felipe Pedersoli, ex-trainee da Magnesita, participou de etapa na Colômbia e trabalha hoje na sede da empresa em Minas Gerais

Desafio - Quem tem a chance de obter essa experiência internacional valoriza a oportunidade. É o caso do ex-trainee da Magnesita Felipe Amadeu Costa Pedersoli, que foi para a Colômbia durante sete meses para atuar um projeto da empresa. No exterior, ele foi coordenador comercial. “Foi um bom desafio, experiência enriquecedora na parte profissional por ter que lidar em questões do dia a dia de trabalho, mas em outro país”. Hoje ele atua na área comercial da empresa no Brasil, na matriz de Contagem (MG).

Mais internacionais - O levantamento feito pela Sobeet (Sociedade Brasileira de Estudos e Empresas Transnacionais e da Globalização Econômica) mostra as dez empresas brasileiras mais internacionalizadas, ou que têm mais presença no exterior. Dessas, algumas como a Odebrecht (primeira), AmBev (oitava) e Magnesita (nona) dão a seus trainees a oportunidade de ir para outro país realizar treinamentos.

Este é o ranking das dez empresas mais internacionais, que levam em conta empregos, ativos e receitas no exterior: Odebrecht, JBS, Gerdau, Metalfrio, Andrade Gutierrez, Ibope, Coteminas, AmBev, Magnesita e Marfrig.
Veja a seguir dez empresas cadastradas no iG Estágio e Trainee que carimbam o passaporte do trainee:

AmBev
O que faz: Quarta maior cervejaria do mundo, a Companhia de Bebidas das Américas tem entre suas principais marcas a Brahma e a Skol.
Etapa no exterior: O programa tem duração de dez meses e é no segundo módulo que o profissional passa por um treinamento fora do Brasil. Neste ano, toda a equipe foi para Saint Louis, Estados Unidos. Mas geralmente, o trainee pode escolher em que unidade realizará esta fase.

Bosch
O que faz: Uma das empresas líderes no setor de serviços e produtos automotivos, bens de consumo e tecnologia industrial.
Etapa no exterior: O programa tem duração de dois anos e é dividido em módulos em diferentes áreas, sendo um deles no exterior.

Grupo Pão de Açúcar
O que faz: Maior grupo varejista da América Latina atua nos setores de drograria, supermercado, lojas de conveniência, atacado e lojas de bens duráveis.
Etapa no exterior: Os trainees vão para a França para realizar benchmarking com o objetivo de conhecer o mercado varejista europeu.

Kinross
O que faz: Mineradora canadense, maior produtora de ouro do Brasil e oitava do mundo.
Etapa no exterior: O programa da empresa, Generation Gold, visa preparar os recém formados para ocupar cargos executivos na área de negócios. Com duração de quatro anos, pelo menos metade deve ser realizado em uma das unidades da empresa no Canadá, Chile, Equador, Estados Unidos ou Rússia. Ao término do trainee, o profissional pode retornar ao seu país de origem ou atuar em outros projetos no exterior.

KPMG
O que faz: Atua no ramo de auditoria tributária e fiscal.
Etapa no exterior: Por meio do Global Intership Program, os trainees têm a oportunidade de trabalhar nos seguintes países: Alemanha, Austrália, China, Estados Unidos, Holanda, Hong Kong, Inglaterra e Japão. Com duração de quatro semanas, o programa visa permitir que o profissional conheça o que é a KPMG como também proporcionar o desenvolvimento profissional. Por ano, vão cerca de três a cinco trainees para o exterior.

LSG Sky
O que faz:
Líder mundial no ramo de catering (serviço de alimentação de bordo). Oferece cerca de 405 milhões de refeições por ano.
Etapa no exterior: Os trainees de administração, engenharia e relações internacionais da empresa têm a oportunidade de atuar não só no Brasil como também na Argentina, Chile, Panamá e Venezuela.

Magnesita
Oque faz:
Mineração e comercialização de refratários (como tijolos e cerâmicas para revestir equipamentos de altas temperaturas).
Etapa no exterior: O programa de trainee da empresa tem duração de 12 meses e leva o profissional para Europa, América ou Ásia para atuar na área comercial.

Repsol
O que faz: Está entre uma das dez maiores empresas petrolíferas do mundo e presente em mais de 30 países.
Etapa no exterior: O programa Novos Profissionais tem duração de dois anos, sendo que o primeiro é realizado em Madrid, Espanha, para um curso de especialização em exploração petroquímica.

Volvo
O que faz: Uma das maiores fabricantes de caminhões do mundo, reconhecida também pelos carros mais seguros do mercado. No Brasil, produz ônibus e máquinas para construção como retroescavadeiras.
Etapa no exterior: Uma das fases de treinamento de engenheiros acontece nas unidades da multinacional na Suécia.

Vale
O que faz: Segunda maior mineradora do mundo, maior produtora e exportadora de minério de ferro e também a maior empresa privada do país.
Etapa no exterior: É um novo programa de trainees da empresa dividido em quatro etapas com a duração de 18 meses. As duas últimas consistem em treinamentos sobre um projeto da empresa, que pode ser desenvolvido em um dos países envolvidos. O trainee pode viajar para Canadá, Colômbia ou Indonésia.

SAIBA MAIS:

Ambev lança campanha mundial por consumo responsável de bebidas

Bosch tem 16 vagas para trainee

Mineradora Kinross compra produtora de outro Red Back por US$ 7 bi

Oportunidade internacional para trainees

Repsol elege novo presidente para operações no Brasil

Oportunidades na indústria do petróleo

Vale abre inscrições para 30 carreiras

Volvo leva recém formados para a Suécia
 


    Notícias Relacionadas


    Ver de novo