Pesquisa aponta aumento de vagas para deficientes físicos

Oferta para profissionais com alguma deficiência sobe 86% em 2011 com aumento também para estágio e trainee em relação a 2010

iG São Paulo | 29/11/2011 05:05

Texto:
enviar por e-mail
* campos são obrigatórios
corrigir
* campos obrigatórios

O levantamento sobre a oferta de postos de trabalho para pessoas com deficiência física, feito pelo site de empregos Vagas.com.br, mostra que as empresas estão mais atentas no cumprimento da lei que estabelece cotas para esses profissionais Na comparação com as vagas oferecidas no ano passado, houve um crescimento de 86% nessa oferta em 2011. De acordo com a pesquisa, esse fenômeno acontece também em relação aos programas de estágio e trainee. No total, o balanço feito pelo site revela revela que foram abertas mais de 20 mil vagas para portadores de deficiência física até outubro de 2011. O levantamento é feito com base nas oportunidade de trabalho divulgadas por mais de 1.500 empresas que utilizam o site na divulgação de suas vagas. Conheça mais sobre a lei que estabelece as cotas para deficientes nos programas de estágio.

Boom na oferta para estágio e trainee – O estudo do site Vagas mostra que nos primeiros dez meses de 2010 foram 32 ofertas para portadores de deficiência nos programas de estágio e 624 para trainee. Esse número subiu este ano para 178 vagas de estágio e 624 de trainee. De acordo com Luís Testa, gerente de marketing e vendas da empresa Vagas Tecnologia, “as oportunidades para esse público aumentaram muito nos últimos meses”.

Foto: Getty Images

Cota para inclusão de deficientes físico no mercado de trabalho é definida em lei

Perfil dos candidatos – De acordo com a empresa de recrutamento Vagas.com.br, os portadores de deficiência que se candidatam a uma vaga têm perfil variado. São 12,5 mil currículos cadastrados de candidatos nessas condições. Os deficientes auditivos representam 21,7% da amostra (5,4 mil), 4 mil (17%) são deficientes visuais. Os portadores de deficiências mentais somam 2,1 mil (8,5%) e 694 têm dificuldades em relação à fala (2,8%).

Entre esses candidatos, 34,3% são de profissionais  com ensino superior completo, 31,4% têm ensino médio. Os que estão com a graduação em andamento são 21,5%. Os profissionais com superior completo são 6,2%. Há ainda 5,8% de profissionais com ensino fundamental concluído e apenas 0,9% frequentando algum curso de pós-graduação, mestrado ou doutorado.
 
Segundo o levantamento, a faixa etária mais marcante é dos profissionais de 26 a 30 anos, representados por 25% do total. Os trabalhadores de 20 a 25 anos e de 31 a 35 anos somam 20% da amostra, cada. Os profissionais de 36 a 40 anos somam 13%. Os de 41 a 45 anos são 8% e os de 46 a 50, 6%.  Com mais de 50 anos, aparecem apenas 5% de profissionais e de 14 a 19 anos, 2%.

Candidatos têm perfis variados -  No site vagas.com.br há 25 mil currículos cadastrados de candidatos portadores de deficiência. Por meio dessa amostra, foi possível identificar o tipo de deficiência desses candidatos. Do total, metade apresenta algum tipo de deficiência física (12,5 mil). Os deficientes auditivos representam 21,7% da amostra (5,4 mil). No caso dos deficientes visuais, estão identificadas 4 mil pessoas com essa característica, ou 17% do todo. Os portadores de deficiências mentais somam 2,1 mil (8,5%) e 694 têm deficiência relacionada à fala (2,8%).
 
Sobre o Vagas – Um dos caminhos mais comuns para um candidato a uma vaga de trabalho enviar sua inscrição é o site Vagas.com.br. A empresa foi fundada em 1999. O sistema Vagas administra em torno de 55 milhões de currículos e é acessado diariamente por cerca de 300 mil pessoas. O site tem como clientes cerca de 1500 empresas em todo o país de médio e grande porte, incluindo 52 das 100 maiores companhias com atuação no mercado brasileiro.

Saiba como deve ser garantida a acessibilidade no recrutamento de estágio e trainee.

 

Texto:
enviar por e-mail
* campos são obrigatórios
corrigir
* campos obrigatórios

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG

Ver de novo