Dicas para carreira de sucesso no agronegócio

Especialista diz que setor está em expansão, procura mão de obra especializada e oferece oportunidades

iG São Paulo | 05/11/2010 17:57

  • Mudar o tamanho da letra:
  • A+
  • A-
Compartilhar:

O agronegócio dá a oportunidade para o crescimento rápido da carreira de quem se dedica a esse setor. Para obter algumas orientações sobre como construir uma trajetória de sucesso profissional nessa área, o iG Estágio e Trainee entrevistou uma das pessoas que mais conhece o agronegócio no Brasil: o secretário estadual de Agricultura e Abastecimento de São Paulo, João de Almeida Sampaio Filho, de 45 anos. Além de pecuarista e produtor de borracha natural e cana de açúcar nos estados de Mato Grosso, Paraná e São Paulo, ele é empresário na área de beneficiamento de produtos e vem de uma família que há gerações atua no agronegócio. Também dirigiu por seis anos da Sociedade Rural Brasileira, uma das entidades mais representativas dos produtores agrícolas do Brasil. Por essas razões, é importante verificar o que tem a dizer João Sampaio sobre o profissional de sucesso no setor:

Foto: João Luiz/SAA

João Sampaio: sucesso no agronegócio

iG: Cite uma boa razão para começar uma carreira no agronegócio?
João Sampaio: Sem dúvida, é a chance de ascensão profissional rápida. Isso porque o setor está precisando de gente capacitada. Quem for bom e estiver capacitado terá uma ascensão rápida. Os três maiores maiores frigoríficos do Brasil, Marfrig, Minerva e JBS-Friboi, são presididos por executivos que assumiram o cargo com menos de 40 anos. São profissionais preparados, especializados. O que mostra uma rápida ascensão. Cito os frigoríficos, mas há outras atividades do agronegócio que têm a mesma situação.
 

iG: Qual é sua dica para quem está começando?
JS: Para se ter sucesso no setor é preciso muita dedicação e estudo. Principalmente estudo com foco em entender o que é o agronegócio. Se eu estivesse começando hoje, estudaria mais, eu me dedicaria a ter fluência em uma segunda língua, inglês ou espanhol. Também é preciso diversificação dos conhecimentos.

iG: Como assim?
Sampaio: Quem produz soja, por exemplo, tem que conhecer outras atividades do setor, como a produção do frango, defensivos agrícolas, saber como exportar. Está tudo relacionado. O profissional de sucesso tem que ter versatilidade para trabalhar. Agronegócio é feito por ações relacionadas uma com as outras. Não é simplesmente entender de fazer plantio de determinada atividade ou de criar determinado animal. É muito mais do que isso. E o profissional que entender essa necessidade vai fazer toda a diferença.

iG: É preciso sair do Brasil para se especializar?
Sampaio: A oferta de cursos para o agronegócio no Brasil é ótima. Nós temos cursos de formação excelentes, principalmente os que tratam de agricultura tropical, onde o Brasil é líder. Nossos cursos de aprimoramento são bem focados em gestão do agronegócio. A saída do Brasil pode ser interessante para o aperfeiçoamento da língua, para entender o comércio exterior, que é tão importante para o agronegócio brasileiro. Vale como aprimoramento, mas não é fundamental para o básico da atividade.

iG: O agronegócio é um setor só para agrônomos?
Sampaio: Não. O agrônomo com especialização em finanças, por exemplo, tem um papel preponderante. Mas tem ainda o engenheiro especializado em agronegócio, que também recebe uma remuneração diferenciada. Assim como o veterinário com especialização em gestão administrativa. Essas três atividades são as mais presentes entre os profissionais destacados do setor, mas sempre com um complemento de especialização. O agrônomo por exemplo é valorizado quando ele entende o mercado financeiro.

iG: Existem possibilidades na cidade ou é preciso se mudar para o interior?
Sampaio: Claro que a possibilidade de carreira para quem vive no interior é maior. Mas para quem mora em cidades como São Paulo também é enorme, seja para quem vai trabalhar na área comercial, de exportação, de gestão financeira ou na área de informação. O agronegócio precisa desse profissional (comunicação) para se comunicar bem com a sociedade. E tem também o profissional dedicado à pesquisa, ao conhecimento, que se concentra nas universidades. Esta atividade está em crescimento no Brasil e vai crescer ainda mais.

iG: Qual é o salário médio pago nessa área?
Sampaio: Agrônomo que se forma e vai trabalhar no serviço público, por exemplo, ganhará em torno de 3,6 mil a 4 mil reais por mês. No setor privado e mais ou menos isso também. Em dez anos, o setor público tem a seu favor a estabilidade. No privado, o profissional não tem estabilidade, mas também quando cresce acaba tendo uma remuneração superior. No público, depois de dez anos deve estar ganhando até 10 mil reais; no privado, um pouco mais, cerca de 12 mil reais por mês.

O iG Estágio e Trainee preparou outras entrevistas com empresários de sucesso. Veja as dicas para quem está iniciando sua carreira profisisonal dadas pelos presidentes do Grupo Pão de Açúcar, Abílio Diniz, da empresa de softwares Totvs, Laércio Cosentino, e do Hospital Israelita Albert Einstein, Cláudio Lottemberg. O portal traz também quais são as oportunidades no agronegócio que estão com inscrições abertas para estágio e trainee.

Leia mais

Oportunidades para trabalhar com pesquisa
Carreiras mais valorizadas pelo mercado
Empresas que pagam os melhores salários
Superávit da balança do agronegócio
Exportação do agronegócio atinge recorde

 

    Notícias Relacionadas


    Ver de novo