Biotecnologia é para quem sonha com vida dentro do laboratório

Agronegócio e área farmacêutica lideram seleção de estudantes. Confira as empresas que mais contratam

iG São Paulo

  • Mudar o tamanho da letra:
  • A+
  • A-

Foto: Getty Images

Estágio em biotecnologia é feito no laboratório

Quem pensa em uma vida profissional dentro de laboratórios de pesquisa avançada, alta tecnologia e muito estudo, deve prestar atenção ao que diz o professor de ciências físicas e biomoleculares da Universidade de São Paulo (USP), Otávio Henrique Thiemann: “A biotecnologia está tendo um momento semelhante ao que ocorreu com a informática há 30 anos. É um despertar das grandes empresas para a necessidade de fazer pesquisa e desenvolvimento nessa área”. Entendeu? O que ele quer dizer é que essa área não muito conhecida oferece boas perspectivas de desenvolvimento profissional.

Prova disso é que a produção brasileira recente de trabalhos acadêmicos reconhecidos está concentrada justamente nesse setor. Os quatro campos da ciência no Brasil que mais publicam artigos científicos em revistas internacionais estão ligados à biotecnologia, são eles: ciências agrárias, zootécnica e botânica, microbiologia e farmacologia, segundo levantamento recente do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq).

Investimento – Esses setores são também os que mais oferecem oportunidades de estágio e trainee para interessados em trabalhar com pesquisa. O agronegócio, por exemplo, é a área que mais recebe recursos para pesquisa e, no Brasil, desenvolve projetos que vão desde o desenvolvimento de sementes geneticamente modificadas à produção de vacinas transgênicas. O país é o terceiro do mundo em área de transgênicos plantada, atrás apenas dos Estados Unidos e Argentina.

Além do agronegócio, os setores químicos e farmacêuticos também recebem investimentos, mas o volume de pesquisa é menor. De acordo com o professor Marcelo Menossi Teixeira, livre docente em genética pela Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), as empresas procuram as universidades para investir em pesquisas, “não falta dinheiro, faltam bons projetos”.

Para entrar nessa área, o professor Thiemann diz que se exige dos pesquisadores o domínio de diversas disciplinas, como física, química, matemática, biologia molecular e bioquímica, e saber utilizar esses conhecimentos com versatilidade para resolver problemas. “Ou seja aliar a teoria com a prática”, diz. A maior parte dos profissionais da área possui diploma de agronomia, biologia, farmácia e química.

Quem consegue uma oportunidade de estágio nas empresas de biotecnologia atua em geral como assistentes de profissionais mais graduados, podendo ou não estar ligado a uma pesquisa. O cientista Francisco Aragão, pesquisador de engenharia genética de plantas da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), diz que o estagiário só vai para os laboratórios das empresas se estiver ligado a uma pesquisa realizada por um pós-doutorando. “Normalmente o estagiário se integra a subprojetos (pesquisas paralelas e complementares à pesquisa principal), dentro de projetos que já existem”, afirma.

Veja algumas das empresas que oferecem estágio ou trainee em biotecnologia:

Basf

Sobre o programa: Empresa oferece programas de trainee e estágio
Áreas: Para atuar em biotecnologia, são escolhidos principalmente os estudantes ou recém-formados em agronomia
Inscrições: Pelo site da empresa
Sobre a empresa: Indústria química de origem alemã com fábricas em 39 países, no Brasil desenvolve em parceria com a Embrapa a soja Cultivance; e programa ainda lançar uma variedade de cana-de-açúcar resistente à seca, um projeto em conjunto com o Centro de Tecnologia Canavieira (CTC) que deve estar pronto até 2020.

Bayer

Sobre o programa: empresa possui 170 estagiários divididos nas suas três áreas de atuação (saúde, ciências agrícolas e materiais inovadores), que envolvem pesquisas.
Inscrições: Pelo site da empresa
Sobre a empresa: Indústria farmacêutica e química alemã; no Brasil, a Bayer CropScience (segmento da empresa ciências agrícolas) concentrada em sementes para as culturas de algodão, arroz e hortaliças.

Cristália

Sobre o programa: O estagiário de bioquímica, engenharia, farmácia e química pode estagiar diretamente na área de biotecnologia.
Áreas: Administração, bioquímica, economia, engenharia, farmácia e química
Inscrições: Durante todo o ano pelo site da empresa.
Sobre a empresa: Laboratório farmacêutico nacional que possui mais de 100 pedidos de patentes registrados.

Embrapa (Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária)

Sobre o programa: Não há programa de estágio específico. As vagas variam de acordo com a necessidade das unidades da Embrapa no Brasil.
Áreas: Administração de empresas, biologia, engenharia agronômica, engenharia florestal, agronomia, engenharia de alimentos e medicina veterinária.
Inscrições: O estudante deve entrar em contato com a unidade onde ele deseja se inscrever, levando em conta a proximidade da faculdade.
Sobre a empresa: Vinculada ao Ministério da Agricultura, a Embrapa desenvolve parcerias com instituições de ensino e empresas para a realização de pesquisas.

Monsanto

Sobre os programas: Empresas oferecem estágio nas áreas técnica (ligada ao desenvolvimento das sementes, seja em campo ou nos laboratórios), administrativa, de negócios e marketing.
Inscrições: O envio de currículo é centralizado no site da Monsanto, mas o processo de seleção ocorre separadamente nas unidades da Monsanto, Alellyx e Canavialis.
Sobre a empresa: Multinacional norte-americana, líder global em biotecnologia para a agricultura e dona das empresas Alellyx e CanaVialis

    Notícias Relacionadas


    Ver de novo